ARS Geologia Ltda DIAGNÓSTICOS E SOLUÇÕES
 
SOBRE ÁREAS DE ATUAÇÃO MÉTODO DE TRABALHO ARTIGOS LIVROS CLIENTES CONTATO

ARTIGOS

GESTÃO GEOLÓGICA DO USO DO SOLO

Há algo como 12 mil anos iniciava-se no âmbito da espécie humana a Revolução Tecnológica Neolítica. O Homem vê-se ambientalmente forçado a progressivamente abandonar sua índole nômade e seus hábitos de caçador e coletor de alimentos. Ao Homem, agora pressionado compulsoriamente para o sedentarismo, apresentava-se uma única alternativa: a superação dos limites ecológicos de sustentabilidade de seu hábitat via a alteração das potencialidades nutricionais desse hábitat por meio de profundas alterações ambientais promovidas por atividades agrícolas e pastoris. Essa é a essência revolucionária da Revolução Neolítica: o Homem passa a garantir as condições de seu desenvolvimento e multiplicação não mais pela migração, mas pela alteração orientada de seu hábitat. Do ponto de vista da evolução antropológica, pode-se afirmar que o Homem vence o empenho da Natureza (por força e através das limitações ecológicas do hábitat) em equilibrar o número de indivíduos da espécie, mudando, por sua inteligência e deliberação racional, as propriedades físicas e ambientais desse próprio hábitat.

Inicia-se assim, no Neolítico, através ainda de rústicas técnicas, o que viria se tornar o avassalador destino do Homem como Agente Geológico transformador do planeta. Nesta saga é equipado por sucessivas revoluções tecnológicas que lhe oferecem progressivamente conhecimentos e instrumentos que mais lhe potencializam a capacidade de intervenção no ambiente natural.

No Brasil os primeiros homens chegaram há cerca de 12 mil anos, vindos do Norte, em estágio Mesolítico. Praticamente ainda nessa condição cultural-antropológica os europeus os encontraram há pouco mais de 510 anos atrás quando, com Cabral, iniciaram a colonização da região. É a partir desse momento que, na verdade pelas mãos do homem europeu, iniciam-se as relações do Homem Agente Geológico com o meio físico natural brasileiro.

Há uma conotação geral que caracteriza a ocupação físico-econômica do território brasileiro desde os tempos coloniais: o total desprezo pelo que possa vir a, ambiental e socialmente, decorrer das técnicas escolhidas para tanto. No início da colonização, pode-se dizer que essa grave e irresponsável atitude deveu-se à noção geral de “terra de ninguém”, do caráter predatório e quase de saque que marcou as relações da metrópole com a recém-descoberta colônia. Mais adiante, certamente, essa atitude foi também sustentada pela concepção de inesgotabilidade de território, provida pela continental dimensão do novo mundo e pela facilidade legal de se apropriar privadamente de novas áreas. Ou seja, sempre pareceu mais prático e barato avançar para novas fronteiras agrícolas, extrativistas e pecuárias do que melhor cuidar dos territórios já ocupados.
O tempo encarregou-se de apresentar à sociedade brasileira o preço dessa atitude cultural. Vastas áreas desflorestadas, submetidas a uma sobrexploração extrativista (madeira e bens minerais), agrícola e pastoril sem nenhum cuidado técnico maior, são em seguida abandonadas por ter seus solos degradados física, mineralógica e agronomicamente, rasgados e carreados pela erosão e lixiviados em seus nutrientes.

No que se refere às nossas cidades, o descompromisso com o meio físico geológico de suporte obedeceu o mesmo traço cultural da "terra de ninguém", traço cultural que levou a expansões urbanas marcadas pela desconsideração dos fatores hidrológicos, geológicos, geotécnicos e ambientais dos terrenos que sucessivamente vão sendo incorporados ao espaço urbanizado. As consequências são por demais conhecidas: poluição das águas superficiais e subterrâneas, comprometimento de mananciais, contaminação de solos, instalação de áreas de risco a enchentes, deslizamentos de encostas, taludes de corte e solapamento de margens de cursos d’água, acidentes em obras de engenharia, poluição atmosférica, degradação precoce da infraestrutura urbana, deterioração das condições ambientais mínimas para a vida humana saudável...

Todos esses ingredientes testemunham a imperiosa necessidade de assumirmos culturalmente o hábito tecnológico da gestão geológica do uso do solo, traduzido por uma ação técnica permanente, um Plano de Gestão Geológico-geotécnica, a se estender da primeira concepção de um empreendimento qualquer até o monitoramento de sua operação, passando pelas fases de estudos preliminares, projeto básico, projeto executivo e implantação propriamente dita. Esse Plano de Gestão Geológico-geotécnica, a constituir como uma providência legalmente obrigatória dos empreendimentos, terá como objetivo, e assim a garantirá, prover uma relação harmônica e tecnicamente exitosa entre a intervenção de engenharia e as características estáticas e dinâmicas do meio geológico em que se dá sua implantação.

Os resultados espetaculares que uma providência dessa natureza trará à sociedade brasileira justificam plenamente a decisão pública e privada em torná-la realidade no menor espaço de tempo possível.

© Copyrights - Geól. Álvaro Rodrigues dos Santos
  Reprodução e divulgação permitidas desde que citada a fonte e créditos de autoria


Rua Fernando Caldas, 128, Butantã, São Paulo . CEP 05535060 . Tels 11 3722 1455 / 11 99752 6768 . email arsgeologia@gmail.com